Curriculum

Jardim de Infância

Um ambiente de calor e aconchego. Árvores para subir,
terra para brincar, brinquedos belos e uma alimentação
saudável. Um lugar onde as crianças podem brincar,
brincar e brincar… E tudo isto acompanhado por um adulto
preparado e consciente da responsabilidade de educar.
[Dorothy Nolte][3]

A criança até aos 7 anos

Até aos 7 anos a criança constrói o seu corpo físico. Nesta primeira fase da vida ela confia profundamente no mundo e em todos os seres humanos que a recebem e que a cuidam.

Movimento, tato, equilíbrio e sentido vital são os sentidos básicos que guiam e estruturam o trabalho com as crianças de jardim de infância. É crucial que nesta fase, a criança tenha tempo e espaço para desenvolver experiências que promovam o desenvolvimento destes sentidos e competências inerentes aos mesmos.

O brincar livre é o cerne da vida na infância, é a partir deste brincar que a criança se descobre a si própria na relação que constrói com o mundo que a rodeia. Na brincadeira livre ocorrem transformações internas, tanto na organização física como no âmbito anímico da criança.

A criança pequena é inteiramente força de vontade. Ela quer agir e movimentar-se, ela é movimento. Se o adulto apoiar essa força de vontade, dando espaço para que a criança brinque saudavelmente, quando ela se tornar adulta terá também vontade de agir e de transformar o mundo. O Espaço e tempo dedicado ao brincar livre capacita a criança de vivências interiores que mais tarde a farão poder agir no mundo de forma consciente e ativa e altruísta.

Até aos sete anos de vida, a educação deve dirigir-se à vontade de agir, fortalecendo-a.

Nesta fase, a criança absorve tudo o que a rodeia e imita incondicionalmente. O adulto que acompanha a criança deve ser digno de ser imitado. Então cabe aos educadores um trabalho profundo de autoeducação e conhecimento.So o auto conhecimento nos poderá guiar para a descoberta do outro e da sua verdadeira essência.

Ritmo, movimento, imitação e solenidade são instrumentos básicos para cuidar a criança nesta fase da vida.

Ambiente e Ritmo no Jardim de infância

Ambiente

No jardim de infância o ambiente nutre e protege, por isso as salas são cuidadas e embelezadas com pequenos tesouros da natureza que revelam a essência da nossa íntima relação com o mundo exterior, com a Terra. As cores nas paredes são suaves, os brinquedos de madeira ou de tecido proporcionam uma agradável sensação ao toque que revela a verdade das coisas belas do mundo. Todo o mobiliário é de madeira com linhas redondas e adequado ao tamanho da criança. As crianças descalçam-se antes de entrar na sala e aprendem desde cedo a cuidar com amor do espaço que nos acolhe e protege.

No exterior, o silêncio da floresta lança um manto de proteção e serenidade para os nossos jardins. Aqui as crianças brincam livremente numa relação plena com a natureza que nos envolve. Brincar com terra e areia, subir árvores, correr, saltar à corda e cuidar das pequenas hortas são atividades constantes que enriquecem o nosso quotidiano e devolvem à criança um trabalho efetivo do corpo, do movimento e do tato.

Ritmo

O ritmo é um pilar fundamental no jardim por isso repetimos diariamente a organização dos nossos dias num movimento que prevê inspiração e expiração. Assim a criança pode sentir-se segura e confiante. Tal como o ritmo das estações, do dia e da noite e do nosso próprio corpo; a criança oscila entre uma necessidade de estar mais virada para fora (para o mundo) ou mais virada para dentro (para si). Assim proporcionamos à criança momentos em que esta respiração possa ser harmoniosamente aprendida e experienciada de modo a proporcionar à mesma um desenvolvimento saudável.

A cada dia da semana corresponde uma atividade que o adulto inicia e que pode ser seguida pelas crianças. As atividades propostas são essencialmente domésticas e artísticas. Fazer pão, descascar e cortar legumes para a sopa, limpar os móveis com cêra de abelha, apanhar fruta das árvores ou lavar as roupas dos bonecos são exemplos de tarefas que dão sentido à vida e que por isso trazem segurança e bem estar.

Pintar com aguarela ou modelar cêra de abelha são atividades artísticas que permitem à criança o início de uma relação com a cor e com a textura, aqui processos anímicos podem ser trabalhados e explorados.

A brincadeira livre está muito presente em quase todos os momentos do dia. No brincar, a criança entrega-se profundamente ao conhecimento de si, do outro e do mundo. É a partir da profunda observação deste brincar que o educador (re)conhece a criança e traça caminhos que permitem o seu bem-estar e desenvolvimento.

Os nossos grupos de jardim são heterogéneos, recebemos em cada grupo crianças entre os 3 e os 6 anos de idade. Desta forma os mais velhos ajudam e cuidam dos mais novos e os mais novos aprendem com os mais velhos, brincam juntos enriquecendo as experiências e os momentos que passam juntos. A nossa escola é um prolongamento do lar e assim funcionamos como uma grande família.

Contos de fadas, pequenas histórias, poemas, jogos de dedos e canções estão sempre presentes na roda rítmica que fazemos diariamente e também ao longo do dia. Imagens belas, movimento, trabalho com as mãos e com a linguagem alimentam a alma da criança e abrem caminho a futuras aprendizagens.

Os momentos das refeições são cuidadosamente preparados com as crianças que aprendem a viver num ambiente de respeito e gratidão pela terra.

Os nossos dias são também permeados com alguns momentos solenes, pequenos e breves rituais que ajudam a criança a entrar nela própria, a ligar-se ao silêncio e a entregar-se a uma vivência simples e espiritual.